Com quantas fraquejadas se faz uma primavera roxa

Revista Desvio

Brasília, a redoma de vidro, é moradia para os ratos que Clarice Lispector tanto temia e chegaram ao poder. Na vida, aprendi com as histórias de ninar, que os ratos moram na dispensa, e na surdina da noite, aproveitam para morder os dedos dos pés. Com o prelúdio das eleições, eles se agitam, alguns se afogam, outros boiam como dejetos e envenenam o que está em volta, tornam opaca as mentes dos candangos.

– “Rouba, mas faz”

– “Bandido bom é bandido morto”

– “Sobre pais que choram no banheiro”

Camuflados, verde amarelo disfarçados, armados de boa intenção. Na maior perfeição, a cidade é impiedosa e o conservadorismo se alastra sobre os engravatados do congresso. Nos carros com ar-condicionado, a classe média, enrustida, justifica o seu fascismo na meritocracia, sendo necessário às minorias que são maiorias uma argumentação para sobreviver.

O eixo monumental já não suporta a cavalaria. As balas…

Ver o post original 198 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s