Quanto vale a memória?

Revista Desvio

O projeto de sucateamento dos museus pelo Brasil não é novo. A tragédia que aconteceu com o Museu Nacional do Rio de Janeiro evidenciou o descaso político pela manutenção da memória. Para além disso, o desastre mostrou que a cultura não é prioridade para os programas de governo. Como chegamos neste ponto?

A história nos mostra que a partir dos anos de 1980, a noção de museu conservador e propagador de narrativas históricas cedeu lugar ao museu hospedeiro e propagador de exposições. Sônia Salcedo del Castilho¹ explica que a pós-modernidade estimulou políticas do ver e exibir, fazendo com que o leque de novas linguagens na produção artística, somando ao fortalecimento do mercado das artes e à formação de empresas culturais, ampliarem os limites expositivos, modificando a noção do que é um museu e também a de público visitante. As exposições tornaram-se arenas privilegiadas para apresentar imagens de si e do…

Ver o post original 270 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s