A memória da mesóclise

Revista Desvio

Nesta última semana foi inaugurado o Centro de Memória Michel Temer, em Itu (SP). Segundo o presidenciável, o espaço servirá de apoio à pesquisa. Contendo mais de 76 mil itens, entre documentos de viagens, correspondências e outros documentos de cunho pessoal, Temer acredita que essas informações podem auxiliar os pesquisadores a entender melhor o período em que esteve no poder.

Para entender as motivações de Michel Temer e sua egolatria, é preciso fazer uma retrospectiva de suas exibições públicas.  Dois casos chamam a atenção durante os últimos anos. Nos bastidores do golpe de 2016, Temer expôs intencionalmente seu descontentamento com sua posição no governo de Dilma Rousseff, e citou que se sentia  um vice decorativo:  Verba volant, scripta manent (As palavras voam, os escritos permanecem). A expressão mostra a necessidade do sujeito, deveras acadêmico, em inserir seu nome no rol de situações inusitadas que já aconteceram dentro do congresso. Com…

Ver o post original 249 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s